Vídeos

URGENTE VEJA




" });

Notícias em Foco

Mundo dos Esportes

Noticias Itaocara e Região

Saúde em Ação

RÉVEILLON NO UNIÃO 2017

RÉVEILLON NO UNIÃO 2017
CLICK NA FOTO

Galeria de Fotos

» » Rio Paraíba do Sul pode não ter água para socorrer Sistema Cantareira

Licitação estima gastos de R$ 830 milhões, quase três vezes mais que o previsto. Governo de São Paulo garante que obra não vai prejudicar ninguém.

Ano 2015 começou pesado para os brasileiros. Ajustes na economia, crise de energia e a crise da água, que afeta não só São Paulo, mas também os outros estados da região Sudeste.
Enquanto a população recebe respostas confusas das autoridades, buscam-se caminhos para que a maior cidade do Brasil não entre em colapso.
Entre as medidas de emergência, foi lançado sexta-feira (30) o polêmico projeto de transposição do Rio Paraíba do Sul. O plano prevê o desvio de parte das águas para socorrer as represas de São Paulo. Só que a bacia do Paraíba do Sul, principal fonte de abastecimento do estado do Rio de Janeiro, também está secando.
E aí? O que era para ser solução vai acabar criando outro problema?
Era uma vez um rio que corria em meio à mata atlântica fechada. Um rio tão bom que muita gente escolheu seu entorno para sobreviver. São 15 milhões de pessoas abastecidas por ele pelos rios que correm até ele. Centenas de anos depois, cada vez menos Mata Atlântica. E esse rio passa agora pela maior seca já registrada.
O sistema do Rio Paraíba do Sul abastece três estados: Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. É por ser tão importante que ele agora é o centro de uma polêmica.
No reservatório de Jaguari, em São Paulo, se planeja fazer a transposição do Rio Paraíba do Sul. Uma obra que é apontada como uma das soluções para o problema da falta d´água em São Paulo. Para chegar no lugar onde se pretende fazer a obra seria, é preciso pegar um barco. Geralmente, pegaria-se um barco em um píer. Mas a represa está tão seca que é preciso descer todos os degraus. Antes era tudo ficava embaixo d’água.
São 25 metros abaixo do nível normal. O especialista em recursos hídricos Edilson Andrade vai mostrar o lugar da obra. Leia mais

«
Next
»
Previous