Vídeos

URGENTE VEJA




" });

Notícias em Foco

Mundo dos Esportes

Noticias Itaocara e Região

Saúde em Ação

OS ÚNICOS QUEM?

OS ÚNICOS QUEM?
CLICK NA FOTO

Galeria de Fotos

» » PSOL apóia Nicolás Maduro e vai à Venezuela acompanhar eleição presidencial

Pessoal gostaria de fazer uma retificação quanto a esta postagem.
Vamos lá ! Nathan Paes entrou em contato comigo hoje 11/12 me alertando para a data desta publicação do PSOL, e informando que :
"1-Essa nota foi publicada em 2013,não esse ano.
2-Ivan Valente não é mais presidente do PSOL.O atual presidente chama-se Luiz Araújo.
3,(visto que a internet acaba por ser um lugar onde isso se propicia a
acontecer) boa parte das pessoas tendem a compreender que o PSOL foi às eleições desse ano na Venezuela apoiar o governo.O que não procede.Tanto que o Jean Wyllys, há cerca de 2 meses, publicou um texto ratificando que o PSOL não aprova posturas totalitárias e nem ditatoriais que o governo Maduro tenha tomado."
Como não tenho a intenção e nem compromisso com erros então ai vai meu pedido de desculpas.
Porém fica minha dívida?
O partido mudou sua posição, até que ponto?
Como que apoiam a revolução Síria?
Até que ponto Jean Wyllys pode falar em nome do PSOL?
O Ivan Valente é o que hoje dentro do PSOL?
Mais de qualquer forma galera! Tai O que vcs acham?
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<



Partido lançou nota em que declara solidariedade ao povo venezuelano e apoio à candidatura de Maduro, por expressar a continuidade dos valores da Revolução Socialista Bolivariana 

O presidente nacional do PSOL, deputado Ivan Valente, viaja na manhã desta sexta-feira (12) para Venezuela, onde vai acompanhar a eleição presidencial, que ocorrerá no próximo domingo, 14 de abril. Também já está em Caracas o jornalista e militante do PSOL Gilberto Maringoni, que foi acompanhar o processo pela Fundação Lauro Campos. Maringoni é um dos colaboradores do livro que a Fundação está elaborando sobre os governos progressistas da América Latina, incluindo a Venezuela, com sua experiência da Revolução Bolivariana, implementada por Hugo Chávez, falecido em 5 de março deste ano.

Em nota, o PSOL declara solidariedade ao povo venezuelano e apoio à candidatura de Nicolás Maduro, por expressar a continuidade dos valores da Revolução Socialista Bolivariana. Segundo o texto, o PSOL já havia manifestado sua solidariedade ao povo venezuelano, em duas oportunidades recentes: na eleição presidencial de 2012, em apoio político à candidatura de Hugo Chávez, e mais recentemente, em clima de profunda tristeza, manifestou seu pesar pelo falecimento do ex-presidente, “tão significativa personalidade na luta antimperialista latino-americana”. “Por coerência não poderíamos nos furtar a assumir posição diante das próximas eleições, previstas para 14 de abril, declarando nosso apoio à candidatura de Nicolás Maduro, por expressar a continuidade dos valores da Revolução Socialista Bolivariana”, afirma o PSOL, ao final de sua nota.

Reta final da campanha
Nessa última semana de campanha eleitoral, o presidente e candidato a reeleição Nicolás Maduro tem percorrido diversos estados no interior do país, seguindo um ritmo frenético de, pelo menos, três por dia, deixando para hoje (11) o grande encerramento na capital, Caracas. Segundo matéria publicada no site do jornal Brasil de Fato, ontem ele aproveitou os atos para anunciar investimentos e prestar contas do governo. Nas atividades de campanha, tem arrastado multidões na mesma forma que seu predecessor, o ex-presidente Hugo Chávez, falecido no último dia 5 de março.

Ontem (10), no Estado Trujillo, anunciou a construção de um aqueduto, de um hospital oncológico e investimentos na agricultura. Também fez campanha pela tarde no Estado Falcón e pela noite, em Barquesimiento, capital do Estado Lara, fez duras críticas aos meios de comunicação privados do seu país. Na manhã desta quinta-feira (11) esteve no Estado Zúlia, de onde realizará seu grande ato de campanha na capital.

“Com o acirramento da campanha, o candidato do chavismo tem pedido para que seus militantes não entrem em provocação e nem no triunfalismo, demonstrando preocupação com a mobilização do próximo domingo, dia das eleições presidenciais”, afirma o texto.>>>>>FONTE

«
Next
»
Previous